Investimentos de risco: entenda se deve incluir no seu portfólio

Tudo o que envolve uma possível ameaça ou perigo, o nosso cérebro tende a, automaticamente, acionar o botão de alerta, especialmente quando inclui dinheiro, não é verdade? 

Porém, quando se trata de criptomoedas, fazer um investimento de risco pode ser algo a ser considerado por toda a inovação que há por trás.

Um dos motivos de se aventurar de maneira, digamos, um pouco mais agressiva nesse mercado é a chance de conseguir fazer negócios interessantes.

Por exemplo, devido à volatilidade desse ecossistema, criptos que parecem pouco promissoras hoje têm a possibilidades de — baseado em fatores como oferta e demanda e acontecimentos do mercado — se tornarem um “boom” amanhã.

Quando isso acontece, quem decidiu fazer um investimento de alto risco tem nas mãos a oportunidade de aproveitar o momento de ascensão da criptomoeda para negociar a sua venda e, com isso, obter capital para comprar outras criptos ou tokens, ou usar a moeda fiduciária gerada da maneira que desejar. 

Outras razões que justificam você incluir um investimento de risco no seu portfólio de entusiasta de ativos digitais é: usar esse recurso para fazer uma reserva de valor e/ou diversificar a sua carteira.

Quer saber como tudo isso funciona? Então continue a leitura deste artigo e confira!

Por que realizar um investimento de risco em criptomoedas?

Um investimento de risco é aquele que não gera garantias quanto a sua rentabilidade. Em outras palavras, você pode tanto aplicar o seu dinheiro e obter um excelente retorno quanto perder tudo e ficar no prejuízo, ou ainda ficar na mesma (sem lucros, sem perdas).

Uma estratégia que envolva investimentos de risco pode ser utilizada em transações com diferentes ativos financeiros, tais como ações, contratos futuros, compra de empresas, entre outros.

No mundo das criptomoedas, é preciso se atentar a um detalhe: é praticamente impossível ter a certeza que uma moeda digital vai gerar lucros para você. Ou seja, em linhas gerais, esse já é, naturalmente, um investimento de risco. 

Isso significa que não dá para prometer um retorno com cripto — tenha isso sempre em mente até mesmo para evitar golpes, combinado?.

Mas, se tem essa característica, por que vale a pena comprar e vender criptomoedas? Existem, basicamente, duas boas razões:

  • fazer uma reserva de valor;
  • diversificar a carteira.

Para quem trabalha com criptos na intenção de montar uma reserva de valor, pode haver um momento de alta da moeda digital que valha a pena transformá-la em moeda fiduciária.

Já com o propósito de diversificar a carteira, a pessoa tem a chance de adquirir criptos de diferentes projetos, objetivos e funcionalidades, e não apenas as que têm como aplicação servirem como meio de pagamento.

Um bom exemplo são as gamecoins, que são voltadas para jogos eletrônicos; e os utility token, que dão acesso a produtos e serviços exclusivos de uma empresa ou marca, como os times de futebol.

Quais são os principais riscos oferecidos pelas moedas digitais?

E qual seria o risco de investir em Bitcoin (BTC) ou em outra criptomoeda? Entre os que mais se destacam, estão:

  • oscilação de valores;
  • ausência de regulação;
  • impacto ambiental;
  • golpes e fraudes.

Oscilação de valores

Como dissemos, a mudança constante de valor dos criptoativos é uma das suas principais características e, ao mesmo tempo, um dos seus grandes riscos.

O preço das criptomoedas é afetado por diversos motivos, tais como oferta e demanda ou acontecimentos externos, como o que aconteceu com a MANA, que subiu 80% após o anúncio de Mark Zuckerberg sobre mudança do nome e do foco da empresa Facebook.

Segundo publicação do site Future of Money, da Exame, o token da Decentraland atingiu um valor de mercado superior a US$2 bilhões em outubro de 2021, decorrente da possível expansão do metaverso. 

Ausência de regulação

Em 8 de dezembro de 2021, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei PL 2303/15, que define a regulação das criptomoedas no Brasil. O passo seguinte é a aprovação do Senado e, por fim, a sanção do presidente.

No entanto, até isso acontecer, o país não conta com regras específicas para o mercado de criptomoedas, o que, para muitas pessoas, é considerado um potencial risco desse mercado. Por isso, a importância de pesquisar bem antes de negociar com qualquer pessoa ou empresa.

Impacto ambiental

O processo de mineração de algumas criptos é outro ponto que pode transformá-las em um investimento de risco. Isso porque boa parte deles demanda alto consumo de energia, o que resulta em importante impacto ambiental.

Com isso, várias moedas digitais podem perder mercado, considerando que pessoas e empresas buscam por ações mais sustentáveis nesse e em outros setores.

Elon Musk, fundador da Tesla, companhia americana automotiva, anunciou em sua conta no Twitter que a empresa não receberia mais pagamentos em criptomoedas, em especial o Bitcoin.

De acordo com uma publicação do site Época Negócios, o motivo foi a emissão de carbono gerada para minerar esse ativo digital. A questão é que essa decisão fez com que o preço do BTC caísse 10% em apenas 24 horas, ou seja, desvalorizou o ativo digital.

Golpes e fraudes

Por fim, não podemos deixar de citar golpes com criptomoedas, que também são vistos por muitas pessoas como a razão de considerarem esse um investimento de risco.

Pirâmides financeiras, carteiras virtuais e/ou corretoras falsas bem como garantias mentirosas de ganhos rápidos são alguns exemplos de golpes aplicados nesse mercado.

Porém, esse e os outros motivos citados não querem dizer que você deve desistir de montar a sua carteira de moedas digitais. Ao contrário! As criptos ganham cada dia mais espaço e formas de utilização, por isso são tão promissoras.

Um exemplo interessante foi o anúncio feito pelas empresas Visa, Mastercard e PayPal, citado no site Exame, sobre a inclusão das moedas digitais em suas operações, possibilitando que esse recurso seja utilizado da mesma forma que o real no pagamento de compras.

E no que se refere a fraudes e golpes, entre as diversas maneiras de diminuir potenciais perigos e prejuízos, a principal é saber como evitar cair em furadas. Por exemplo, não confiar em promessas de lucros exagerados, cuidar e preservar os seus dados durante as transações, estudar bastante esse segmento e, principalmente, escolher um exchange de confiança.
Este artigo foi escrito pela Bitso, exchange internacional de criptomoedas na qual você pode comprar, guardar e vender os seus criptoativos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.